29/06/2010

Greve de Petrópolis termina mas a luta vai continuar

Mobilização e disposição da categoria contagiou outros segmentos do funcionalismo municipal, levando à unificação da luta e obrigando o prefeito a recuar da sua intransigência e arbitrariedade. Categoria deu aula de paritipação e disposição de luta


A assembléia da rede municipal de Petrópolis decidiu pelo final da greve depois da categoria ter decidido aceitar a contraproposta do prefeito. Depois de quase dois meses de mobilização maciça, os profissionais das escolas de Petrópolis saem da greve com a mobilização fortalecida, já que, embora não tenhamos conseguido conquistar todas as nossas reivindicações, mostramos para o governo municipal a força do nosso movimento.

Não foi à toa, que o prefeito foi obrigado a recuar e melhorar a proposta indigna, oferecida inicialmente. Mustrangi também teve que voltar atrás e aceitar o seguinte:

Para quem recebe menos de 1 salário mínimo: 10,5% de reajuste, incorporação de um abono (50% agora, 50% em dezembro); para quem recebe mais de 1 salário mínimo: 5% de reajuste, incorporação de um abono em julho; garantia de uma comissão paritária para discussão de PCCS.

Agora temos que nos manter mobilizados para garantir o cumprimento de todas estas promessas e para garantir um bom plano de carreira que garanta a ascensão por formação e  tempo de serviço. Além disso, queremos que o plano de carreira da educação seja para todos os servidores, e não apenas para o magistério, como planeja a prefeitura. Por isso, estamos convocando os representantes de escola para uma reunião, dia 30 de junho, às 18 horas.


26/06/2010

Campanha contra a homofobia




Na madrugada de domingo para segunda-feira (21/06), o adolescente gay Alexandre Ivo, 14, foi sequestrado por um grupo de jovens enquanto esperava o ônibus. A vítima foi espancada, torturada e asfixiada até a morte, segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML). O crime aconteceu em São Gonçalo (RJ) e pode ter sido motivado por homofobia.

Alexandre havia saído no domingo para assistir ao jogo do Brasil na casa de um amigo, onde ele e os colegas se envolveram em uma briga. A vítima e seus amigos deram queixa na delegacia e depois voltaram para a festa. Às 2h30, Alexandre resolveu voltar para a casa. Enquanto esperava o ônibus, o garoto foi sequestrado, assassinado e seu corpo jogado em um terreno baldio.


Manifestação

Amigos e familiares irão realizar neste domingo (27/06) um protesto por conta do assassinato de Alexandre. O ato será realizado na Praça Zé Garoto, onde será realizada a Parada Gay de São Gonçalo. Os organizadores pedem para que todos os participantes compareçam vestindo roupa preta. O ato está marcado para as 15h.

.

O OVO DA SERPENTE

Cidades gaúchas tentam barrar serviço pago no SUS


Prefeituras do Rio Grande do Sul ensaiam uma rebeliăo contra decisăo inédita do Supremo Tribunal Federal que permite a pacientes pagar para ter privilégios no atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde).

O governo do Estado e as 12 maiores cidades gaúchas săo alvo de uma ofensiva do Conselho Regional de Medicina do RS que busca, no Supremo, obrigar o sistema público a operar com a chamada diferença de classe.

Trata-se da possibilidade de pacientes pagarem uma diferença para obter acomodaçőes melhores em hospitais públicos.

Médicos também poderăo cobrar pelo serviço diferenciado.

A entidade que representa os médicos já obteve vitória em uma das açőes movidas.

Em dezembro de 2009, o ministro do STF Celso de Mello decidiu que o Hospital Filantrópico Săo José, em Giruá (474 km de Porto Alegre), poderia cobrar pelo atendimento diferenciado no SUS.

Com 18 mil habitantes, a cidade se tornou símbolo da controvérsia sobre a igualdade entre usuários no sistema e detonou uma mobilizaçăo de municípios e Ministério Público contra privilégios.

O prefeito de Giruá, Fabiam Thomas (PDT), anunciou que năo cumprirá a decisăo porque ela permite que pacientes com poder aquisitivo maior furem a fila de internaçőes no hospital ao serem encaminhados por médicos năo credenciados pelo sistema público.

A diferença de classe na saúde pública é inconstitucional e criminosa. Vamos tentar quebrar essa decisăo e estamos preparados para năo facilitar o cumprimento, pagando a multa, afirmou.

Multa
A desobedięncia custará R$ 500 por dia ao município. Diante do impasse, pessoas que podem pagar terăo que ir ŕ Justiça para ter o benefício.

O objetivo do prefeito é tornar, na prática, esse privilégio mais demorado do que a fila do SUS.

Giruá vai ainda ingressar com uma açăo rescisória, questionando alguns pontos da decisăo de Celso de Mello.

A imoralidade da cobrança suplementar, hoje praticamente extinta, vai voltar com tudo.

Médicos poderăo cobrar do paciente e do SUS, avalia o secretário da Saúde de Porto Alegre, Carlos Casartelli.

Se a decisăo se alastrar, significa o fim da equidade do sistema e do próprio SUS, diz Cesartelli.

Os municípios com gestăo plena do SUS articulam um lobby contra o privilégio.

No próximo dia 8, secretários, promotores e conselheiros de saúde văo se reunir com o vice-presidente do STF para entregar um memorial contra a medida.

25/06/2010

A ESCOLA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES PRECISA DE VOCÊ! *

ENFF 

Situada em Guararema (a 70 km de São Paulo), a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), inaugurada em evento internacional em 23 de janeiro de 2005, foi construída entre os anos de 2000 e 2005, graças ao trabalho voluntário de pelo menos mil trabalhadores sem terra e simpatizantes. Sua missão é a de atender às necessidades da formação de militantes que lutam por um mundo mais justo.

Os recursos para a sua construção foram obtidos com a venda de fotos de Sebastião Salgado e do livro Terra (fotos de Salgado, texto de José Saramago e música de Chico Buarque) e mediante a contribuição de entidades da classe trabalhadora do Brasil, da América Latina e de várias partes do mundo. Os recursos para a sua manutenção e funcionamento são obtidos por meio de financiamento de projetos nacionais e internacionais, por organizações institucionais e privadas, além da colaboração individual.

"... No dia 17 de Abril de 1996, no estado brasileiro do Pará, perto de uma povoação chamada Eldorado dos Carajás (Eldorado: como pode ser sarcástico o destino de certas palavras…), 155 soldados da polícia militarizada, armados de espingardas e metralhadoras, abriram fogo contra uma manifestação de camponeses que bloqueavam a estrada em acção de protesto pelo atraso dos procedimentos legais de expropriação de terras, como parte do esboço ou simulacro de uma suposta reforma agrária na qual, entre avanços mínimos e dramáticos recuos, se gastaram já cinqüenta anos, sem que alguma vez tivesse sido dada suficiente satisfação aos gravíssimos problemas de subsistência (seria mais rigoroso dizer sobrevivência) dos trabalhadores do campo. Naquele dia, no chão de Eldorado dos Carajás ficaram 19 mortos, além de umas quantas dezenas de pessoas feridas...." Trecho do prefácio do livro “Terra” escrito por José Saramago. Leia na íntegra o prefácio

Atualmente, a ENFF encontra-se ameaçada pelo estrangulamento econômico, graças à ofensiva orquestrada pela direita contra os movimentos sociais, particularmente o MST. A escola também é alvo: o capital não aceita a ideia de que os trabalhadores tornem-se sujeitos conscientes de sua história. Sem recursos, a escola corre o risco de encerrar suas atividades.

Por isso, sua contribuição é mais do que nunca necessária.

O espaço físico da ENFF

A escola está erguida sobre um terreno de 120 mil m2, com instalações de alvenaria de tijolos fabricados pelos próprios trabalhadores. O projeto arquitetônico, oferecido voluntariamente, teve como princípio causar o menor dano ao meio ambiente e, ao mesmo tempo, propiciar o melhor resultado para o sujeito da escola: trabalhadores, alunos, assessores e visitantes.

Ao todo, são três salas de aula, que comportam até 200 pessoas, auditório, dois anfiteatros, uma biblioteca com 40 mil livros (obtidos por meio de doação). Além disso, a escola conta com quatro blocos de alojamento, refeitórios, lavanderia, estação de tratamento de esgotos e casas destinadas aos assessores e às famílias de trabalhadores que residem na escola. Dispõe, ainda, de horta que produz para consumo local, e árvores frutíferas espalhadas. Para o lazer, oferece um campo de futebol e uma quadra multiuso coberta.

A seu pleno funcionamento demanda a dedicação integral de 35 trabalhadores militantes residentes no local, de todas as áreas (da administrativa ao setor pedagógico, passando pela infraestrutura elétrica e sanitária e outros). Além disso, todos os que frequentam os seus cursos se encarregam da limpeza, dos cuidados com a horta e outros trabalhos que a manutenção da escola exige. Para assegurar a possibilidade de participação das mulheres, foi construída a “Ciranda Infantil Saci Pererê”, onde as crianças permanecem em ambiente sadio e cuidadoso enquanto seus responsáveis, principalmente as mães, estudam e/ou trabalham.

O trabalho de formação da ENFF

Nos cinco primeiros anos de sua existência, passaram pela escola 16 mil militantes dos movimentos sociais do campo e da cidade, de todos os Estados do Brasil e de outros países da América Latina e da África.

A escola tem o apoio de mais de 500 professores voluntários – do Brasil, da América Latina e de outras regiões –, nas áreas de Filosofia Política, Teoria do Conhecimento, Sociologia Rural, Economia Política da Agricultura, História Social do Brasil, Conjuntura Internacional, Administração e Gestão Social, Educação do Campo e Estudos Latino-americanos. Além disso, oferece cursos superiores e de especialização, em convênio com mais de 35 universidades e mestrado sobre Questão Agrária, por meio de convênio com a UNESP e UNESCO.

A ENFF também mantém convênio com mais de 15 escolas de formação em outros países e com o Ministério da Educação de Cuba, com o objetivo de implementar no Brasil o método de educação e alfabetização lá desenvolvido e praticado.

PARTICIPE DA LUTA EM DEFESA DA ENFF

Em dezembro de 2009, um grupo de intelectuais, professores, militantes e colaboradores resolveu criar a “Associação dos Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes”, com os seguintes objetivos:

• Divulgar as atividades da escola • promover campanhas pela adesão de novos sócios e de solidariedade para angariar recursos, incluindo doações de livros, revistas, publicações e material audiovisual para a Biblioteca • apoiar e incentivar o desenvolvimento de projetos de educação e escolarização de crianças, jovens e adultos do campo, da cidade, das comunidades indígenas e quilombolas, bem como projetos contra as discriminações de raça, cor, gênero, sexo e religião • desenvolver parcerias com instituições que atuem na área da formação e educação • viabilizar projetos que estimulem estudos acerca da tradição do pensamento crítico • estimular intercâmbio de atividades internacionais de formação

VEJA COMO VOCÊ PODE SE ASSOCIAR:

Para se tornar associado, é indispensável preencher a ficha de adesão com o compromisso de contribuir mensalmente com um valor mínimo de R$ 20,00, ou com contribuições solidárias de qualquer valor. Os fundos angariados serão diretamente destinados à escola e/ou usados para organizar atividades com o objetivo de levantar mais recursos.
***
Faça uma visita monitorada à ENFF, organizada periodicamente por nossa associação [ Associação dos Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes]. Você sentirá orgulho de pertencer ao grupo de colaboradores que viabilizará o projeto ENFF.

Para obter mais informações sobre como contribuir, procure a secretaria executiva:

Rua da Abolição nº 167 – Bela Vista – São Paulo – SP - CEP 01319-030
Telefones: (11) 3105-0918; 9572-0185; 6517-4780

e-mail: associacao@amigosenff.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. site: www.amigosenff.org.br
Núcleo RJ - contato: amigosdaenff.rj@gmail.com
  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Texto reproduzido do comunicado da Associação dos Amigos da Escola Nacional Florestan Fernandes

Esta página encontra-se em www.cecac.org.br




.



24/06/2010

Moção de solidariedade à greve de Petrópolis

Educação municipal de Petrópolis em greve: Prefeito ameaça cortar ponto e profissionais se mobilizam para resistir à repressão
 
 
Os profissionais de educação das escolas municipais de Petrópolis, que voltaram à greve no dia 16 de junho, resistindo às investidas do prefeito Paulo Mustrangi, que apresentou uma proposta que não atende as reivindicações da categoria e fechou novamente as negociações com o movimento unificado dos servidores municipais – a saúde também se encontra em greve. Agora, o prefeito dá mais uma prova de arbitrariedade, ameaçando cortar o ponto das categorias em greve. Por isso, o Sepe está se mobilizando para constituir um fundo de greve emergencial para manter a mobilização. 
 
O movimento também solicita o apoio político  dos trabalhadores. Para tanto, o Sepe Petrópolis preparou um rascunho de moção de solidariedade à greve, exigindo do prefeito a imediata reabertura das negociações. Os interessados em apoiar financeiramente o movimento devem enviar um email ou entrar em contato com o núcleo do Sepe,  informando a disponibilidade: Sepe-Petrópolis - Rua do Imperador, 866/202 – Centro - Petrópolis-RJ - Tel: (24) 2231-4575 - sepepetropolis@gmail.com 

Veja abaixo a proposta de texto para a Moção de solidariedade à greve de Petrópolis:

(nome da entidade) manifesta seu apoio à greve dos servidores municipais da saúde e da educação de Petrópolis. 

            Essa greve teve início no dia 13 de maio e os trabalhadores se depararam com a intransigência do governo do Paulo Mustrangi (PT), que encerrou a negociação apresentando uma proposta muito abaixo das necessidades dos trabalhadores desse município. Esses servidores têm passado por represálias em seus postos de trabalho e estão com seu ponto ameaçado de corte.

            Portanto, exigimos que o prefeito Paulo Mustrangi reabra as negociações e atenda à justa reivindicação dos grevistas, sem nenhum prejuízo a eles.

FONTE SEPE
.

23/06/2010

Prefeitura do Rio de Janeiro Professor-Rio: 200 vagas para Matemática

Serão recebidas do dia 29 deste mês a 13 de julho as inscrições do concurso para 200 vagas de professor I de Matemática do município do Rio de Janeiro. O cadastro deverá ser feito pelo site da Secretaria Municipal de Administração, organizadora, com taxa de R$60. A remuneração inicial é de R$1.435,87, sendo R$1.234,09 de vencimento-base, R$98,38 de bônus cultura e R$103,40 de auxílio-transporte. 

Os interessados devem ter licenciatura plena em Matemática, com habilitação apostilada no diploma. A jornada de trabalho será de 16 horas semanais. Na ato da inscrição, o participante deverá optar pela Coordenadoria Regional de Educação em que deseja atuar. Após o cadastro, é preciso imprimir o Documento de Arrecadação Municipal (Darm), para pagamento da taxa em um dos bancos cadastrados. 

Quem possui renda familiar per capita inferior a 30% do salário mínimo nacional (correspondente a R$153) poderá entrar com pedido de isenção do pagamento da taxa, também pela internet, somente até o dia 1º de julho. Posteriormente, será preciso comparecer, no dia 5 ou 6 de julho, das 10h às 16h, à Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos. 

Será necessário apresentar o requerimento de avaliação de hipossuficiência impresso, cópia do comprovante de residência no nome do requerente, cópia da certidão de nascimento ou certidão de casamento ou decisão judicial de separação ou divórcio ou de óbito do cônjuge, cópia do último contracheque e declaração, de próprio punho, sobre a renda familiar de parentes de 1º grau devidamente comprovados, que residam no mesmo endereço.

Os concorrentes passarão por uma prova objetiva e, ainda, uma avaliação de títulos, de caráter classificatório. Serão cobradas 35 questões específicas da disciplina, 15 de Língua Portuguesa e dez de Fundamentos Teórico-Metodológicos e Político-Filosóficos da Educação. 

Cada pergunta valerá dois pontos, sendo aprovado aquele que obtiver, no mínimo, 20% de pontos por conteúdo e 60% de pontos do total da prova. Na avaliação de títulos, o participante poderá obter, no máximo, 30 pontos. Serão pontuados aqueles que possuírem títulos de pós-graduação, mestrado e doutorado, além de aprovação final em concursos públicos. A validade do concurso será de dois anos, podendo ser prorrogada por igual período.


Fonte. Folha Dirigida

.

22/06/2010

Deliberações da Assembléia Geral dos Profissionais de Educação da rede estadual.

Deliberações da Assembléia Geral dos Profissionais de Educação da rede estadual, realizada no dia 17 de junho do corrente, no auditório da ABI:


22/06 (terça) – corrida aos gabinetes na ALERJ; 

23/06 (quarta) – defesa das emendas ao projeto do governo com a pauta do SEPE e pressão para que a audiência com o vice-governador aconteça; 

24/06 (quinta) – ato dos funcionários administrativos às 14h na SEPLAG; 

10/07 (sábado) – Conselho da rede estadual ampliado – 09h no SEPE Central; Ação imediata contra a resolução da Secretaria de Educação que determina a digitação das notas pelo magistério; ]Produzir um abaixo assinado pela garantia da resolução sobre as 30h para funcionários, Plano de Carreira e pela incorporação imediata da gratificação do Nova Escola; Moção de repúdio ao presidente Lula pelo veto ao fim do fator previdenciário para os aposentados. 

FONTE: SEPE


FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DAS ESCOLAS ESTADUAIS

20/06/2010

Ataque à Flotilha da Liberdade O que é que Israel Tenta Esconder

Uri Avnery*

A leitura do questionário de Uri Avnery, israelense e activista da organização israelense Grupo da Paz, ajuda a compreender muito do que se passou durante aquele acto criminoso. Ao longo das 81 perguntas a que qualquer comissão de inquérito independente deve responder, muitas delas, seguramente, baseadas nas imagens filmadas pelas câmaras instaladas no barco e transmitidas em directo para uma estação de TV que já as divulgou, fica evidente a qualificação do assalto ao Rachel Corrie como um acto de terrorismo de Estado, mas também que esta política israelense é coordenada com os EUA. 

Se houvesse uma Comissão de Investigação séria em Israel (em vez de pretextos patéticos para impedir qualquer investigação), eis algumas das questões que teriam de ser respondidas:

1. Qual o verdadeiro objetivo do bloqueio da Faixa de Gaza?
2. Se o bloqueio visa a evitar que entrem armas na Faixa, por que só são autorizados a entrar em Gaza 100 items (contra os mais de 12 mil que se encontram à venda em qualquer supermercado de porte médio em Israel)?
3. Por que não podem entrar em Gaza chocolate, brinquedos, lápis, canetas e papel, vários tipos de frutas e legumes (e por que canela entra, e coentros não entra)?
4. Que relação há entre (i) a decisão de proibir a importação de materiais de construção, para reparos e reconstrução dos milhares de prédios destruídos ou danificados na Operação Chumbo Derretido, e (ii) o argumento de que os materiais poderiam ser usados para construir abrigos para o Hamás –, se todos sabem que material mais do que suficiente para essa finalidade chega regularmente à Faixa de Gaza, pelos túneis?
5. O verdadeiro objetivo do bloqueio é transformar em inferno a vida de 1,5 milhão de seres humanos, na esperança de que se levantem e deponham o governo do Hamás?
6. Dado que isso ainda não aconteceu, e – ao contrário – o Hamás vem-se fortalecendo ao longo dos três anos do bloqueio, o governo israelense nunca considerou a possibilidade de alterar a política do bloqueio?
7. O bloqueio foi imposto para forçar a libertação do soldado Gilad Shalit, capturado pelo Hamás?
8. O bloqueio contribuiu de algum modo, para esse objetivo? Ou tem sido contraproducente?
9. Por que o governo israelense recusa-se a trocar Shalit por centenas de prisioneiros presos em Israel, dado que o Hamás aceita a troca?
10. É verdade que o governo dos EUA vetou completamente a troca de prisioneiros, sob ao argumento de que isso fortaleceria o Hamás?
11. Há qualquer tipo de discussão, no governo de Israel, que autorize a esperar que Israel algum dia cumpra os compromissos que assumiu em Oslo – de permitir e estimular o desenvolvimento do porto de Gaza –, de modo que se impeça o contrabando de armas?
12. Por que o governo israelense declara repetidas vezes que as águas territoriais da Faixa de Gaza seriam parte das águas territoriais de Israel, e que navios que por ali naveguem estariam «agredindo a soberania de Israel», se se sabe que isso não é verdade, uma vez que a Faixa de Gaza não foi nunca anexada a Israel e que Israel, sim, anunciou oficialmente, em 2006, que «se separara» da Faixa?
13. Por que os ativistas pacifistas sequestrados em alto mar, e que jamais tiveram qualquer intenção ou desejo de aportar em Israel, foram acusados, pelo Procurador Geral de Israel, «tentar entrar ilegalmente em Israel»? Por que o Estado de Israel pediu que recebessem penas mais longas, por «tentativa de entrar ilegalmente em Israel»?
14. Quem é responsável por essas acusações ilegais e contraditórias, se, num momento, o governo de Israel diz que «se separou oficialmente da Faixa de Gaza» e que «a ocupação terminou» – e, no momento seguinte, alega ter direito de defender a «soberania do Estado de Israel» sobre as águas do litoral da Faixa?

Sobre a decisão de atacar a Flotilha

15. Quando os serviços de inteligência israelenses ouviram falar, pela primeira vez, dos preparativos para organizar a Flotilha? (Há evidências filmadas.)
16. Quando esses informes chegaram ao gabinete do primeiro-ministro, do ministro da Defesa, do Gabinete de governo, do «Comitê dos Sete» (encarregado das questões de defesa) e do comandante geral do Exército?
17. O que decidiram esses funcionários e essas instituições?
18. Que tipo de informação dos serviços de inteligência chegou a cada um deles?
19. Quando, quem tomou e como foi tomada a decisão de deter a flotilha por ataque militar armado?
20. É verdade que a secretária do Gabinete de governo Tzvi Hauser alertou para as graves consequências daquela ação e aconselhou a deixar que a flotilha atracasse em Gaza?
21. Houve outras vozes que tenham aconselhado nessa mesma direção?
22. O ministro dos Negócios Exteriores participou de todas as discussões?
23. Se participou, o ministro alertou sobre o impacto daquela ação nas relações entre Israel e Turquia e outros países?
24. À luz da evidência de que, antes do incidente, o governo turco informara ao ministério de Negócios Estrangeiros de Israel que a flotilha fora organizada por entidade privada não controlada pelo governo e não violava qualquer lei turca – o ministro Lieberman considerou a possibilidade de fazer contato com a organização da Flotilha, para tentar algum acordo e evitar a violência?
25. Deu-se a devida consideração à possibilidade de deter a Flotilha em águas territoriais, inspecionar a carga e deixá-la passar?
26. Alguém, em algum momento, considerou o impacto do ataque à Flotilha, na opinião pública internacional?
27. Alguém, em algum momento, considerou o impacto do ataque à Flotilha, nas relações entre Israel e os EUA?
28. Alguém, em algum momento, considerou a possibilidade de o ataque à Flotilha fortalecer o Hamás?
29. Alguém, em algum momento, considerou a evidência de que o ataque à Flotilha pode vir a tornar ainda mais difícil manter o bloqueio de Israel a Gaza?
Sobre o planejamento do ataque à Flotilha
30. Que tipo de informação da inteligência estava à disposição dos que planejaram o ataque à Flotilha? (Há provas gravadas.)
31. Alguém, em algum momento, considerou a evidência de que o grupo de ativistas que viajava nessa Flotilha é diferente do que viajou em outros barcos de protesto, porque dessa vez havia o componente turco?
32. Alguém, em algum momento, considerou que, diferentes dos pacifistas europeus, que acreditam na resistência pacífica, os ativistas turcos poderiam adotar meios de resistência ativa contra soldados que assaltassem barco turco?
33. Consideraram-se vias alternativas de ação, como bloquear o avanço da Flotilha com barcos não armados?
34. Nesse caso, se outras alternativas foram consideradas, por que foram rejeitadas?
35. Quem realmente coordenou o planejamento do ataque à Flotilha – o comandante geral do Exército ou o comandante geral da Marinha?
36. Se o responsável pela decisão de atacar militarmente a Flotilha foi o comandante da Marinha, a decisão foi aprovada pelo comandante geral do Exército, pelo ministro da Defesa e pelo primeiro-ministro?
37. Como se distribuíam as responsabilidades entre todos esses, no processo de tomada de decisão que levou ao ataque à Flotilha?
38. Por que a ação aconteceu fora das águas territoriais de Israel e da Faixa de Gaza?
39. Por que a ação foi executada em plena noite, na escuridão?
40. Alguém da Marinha israelense fez qualquer objeção à ideia de soldados descerem por cordas, de um helicóptero, sobre o convés do barco «Mavi Marmara»?
41. Durante as discussões, alguém chamou a atenção para a semelhança entre a operação que estava sendo planejada e a ação dos britânicos contra o navio «Exodus 1947» – que terminou em desastre político para os britânicos?
Sobre o ataque ao barco 
 
42. Por que todas as comunicações do barco com o mundo foram cortadas, durante a operação, se nada havia a esconder?
43. Alguém protestou, em defesa dos soldados israelenses, de que poderiam estar sendo mandados para uma armadilha mortal?
44. Alguém, em algum momento, considerou a evidência de que os soldados israelenses permaneceriam, por vários minutos críticos, em perigosa posição de inferioridade e completamente expostos?
45. Quando, exatamente, os soldados israelenses começaram a atirar com munição real?
46. Qual dos soldados atirou primeiro?
47. O tiroteio – todo ou parte dele – pode ser legalmente justificado?
48. É verdade, como disseram os passageiros, que os soldados começaram a atirar ainda de dentro dos helicópteros?
49. É verdade que o tiroteio continuou mesmo depois de o capitão do barco e os ativistas terem repetido pelos altofalantes que o barco rendia-se, e depois, também, de terem levantado bandeiras brancas?
50. É verdade que cinco dos nove mortos receberam tiros pelas costas, o que prova que tentavam afastar-se e, portanto, não eram ameaça à vida dos soldados?
51. Por que Ibrahim Bilgen, 61 anos, cinco filhos, candidato a prefeito de sua cidade natal, foi identificado como terrorista e foi morto?
52. Por que Cetin Topcoglu, 54 anos, treinador da equipe nacional de taekwondo da Turquia, que viajava com a esposa, foi identificado como terrorista e foi morto?
53. Por que Cevdet Kiliclar, 38 anos, jornalista, foi identificado como terrorista e foi morto?
54. Por que Ali Haydar Bengi, quatro filhos, professor de literatura formado pela escola al-Azhar do Cairo, foi identificado como terrorista e foi morto?
55. Por que Necdet Yaldirim, 32 anos, uma filha; Fahri Yaldiz, 43 anos, quatro filhos; Cengiz Songur, 47 anos, sete filhos; e Cengiz Akyuz, 41 anos, três filhos, foram identificados como terroristas e foram mortos?
56. É mentira que os ativistas tomaram a pistola de um soldado e atiraram nele, como disse o Exército de Israel? Ou é verdade que os ativistas desarmaram vários soldados e jogaram várias armas ao mar, sem usá-las, como disseram vários ativistas?
57. É verdade, como disse Jamal Elshayyal, jornalista e cidadão britânico, que os soldados negaram socorro a turcos feridos, durante três horas, período em que vários deles morreram?
58. É verdade, como disse o mesmo jornalista, que foi algemado com as mãos atrás das costas e forçado a permanecer ajoelhado por três horas, exposto ao sol escaldante, sem água, e que foi impedido de ir ao banheiro e ouviu «mije nas calças»? É verdade que teve seu passaporte britânico confiscado e jamais devolvido? É verdade que lhe foram roubados e jamais devolvidos um computador laptop, três telefones celulares e 1.500 dólares em dinheiro?
59. É verdade que o exército de Israel manteve todos os passageiros sequestrados e presos em local ignorado, por 48 horas; que confiscou todas as câmeras, filmes e telefones celulares dos jornalistas a bordo, para impedir que circulasse qualquer informação que gerasse dúvidas sobre a versão dos fatos divulgada pelo exército de Israel?
60. Esse é procedimento padrão nesses casos, para manter o primeiro-ministro (ou seu representante e porta-voz, Moshe Yaalon, dessa vez) em cena, durante qualquer operação. O mesmo procedimento foi adotado em outros casos, como na operação Entebbe e na abordagem do navio «Karin A»; foi adotado também no caso do ataque à Flotilha?

Sobre o comportamento do porta-voz do exército de Israel
 
61. É verdade que durante as primeiras horas o porta-voz do exército de Israel distribuiu uma série de informes fictícios, para justificar o iminente ataque à Flotilha aos olhos dos israelenses e do público internacional?
62. Os poucos minutos de filme que têm sido exibidos centenas de vezes pelas televisões em Israel, desde o dia do ataque até hoje, são versões cuidadosamente editadas, para que não se veja o que aconteceu imediatamente antes e imediatamente depois do ataque?
63. O que há de verdade na declaração de que soldados teriam sido presos por ativistas no interior do barco e que estariam sob risco de «linchamento», quando há fotos que mostram claramente que os soldados permaneceram cercados por tempo considerável por dúzias de ativistas que sequer os tocavam, e que um médico que viajava no barco socorreu vários soldados?
64. Que provas há de que a ONG turca IHH teria conexões com a al-Qaeda?
65. Que bases há para a informação – jamais confirmada até agora – repetida incontáveis vezes de que a ONG turca IHH seria «organização terrorista»?
66. Por que se diz que a ONG IHH estaria agindo sob ordens do primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan, se se sabe que essa ONG, de fato, é aliada próxima de um partido da oposição a Erdogan?
67. Se a ONG IHH seria organização terrorista conhecida dos serviços de inteligência de Israel, por que a operação não foi abortada quando ainda estava sendo planejada?
68. Por que o governo de Israel não denunciou o plano da ONG IHH, antes do ataque aos barcos?
69. Por que, na propaganda oficial, a palavra «shahid», em declarações de um dos ativistas, foi traduzida pelo governo de Israel – com evidente má fé – como se o ativista tivesse dito que desejava «matar e morrer»? (A palavra «shahid», como todos sabem em Israel, designa alguém que se sacrifica para manifestar sua fé em Deus, exatamente como qualquer mártir cristão ou judeu.)
70. De onde brotou a mentira segundo a qual os turcos teriam gritado «Voltem para Auschwitz»?
71. Por que nenhum médico israelense foi convocado para informar os israelenses, imediatamente, sobre os ferimentos dos soldados feridos, depois dos anúncios oficiais de que pelo menos um soldado fora ferido à bala?
72. Quem inventou a história de que haveria armas nos barcos, e que teriam sido jogadas ao mar?
73. Quem inventou a história de que os ativistas transportariam armas de fogo – quando, na exibição organizada pelo próprio porta-voz do exército de Israel, só se viam objetos encontráveis em todos os barcos do mundo, sobretudo em barco equipado para transportar 1.000 passageiros (binóculos, instrumentos para primeiros socorros, canivetes, pedaços de metal, além de uma adaga iemenita decorativa e facas de cozinha)?
74. Todos aqueles itens – associados à incansável repetição da palavra «terroristas» e à censura de qualquer tipo de informação diferente – não configuram operação de lavagem cerebral?

Sobre a investigação

75. Por que o governo de Israel recusa-se a participar numa comissão internacional de investigação composta de investigadores neutros, que o governo de Israel aceite?
76. Por que o primeiro-ministro e o ministro da Defesa de Israel anunciaram que estão dispostos a testemunhar – mas não respondem nossas perguntas?
77. De onde vem o argumento de que soldados não poderiam ser chamados a testemunhar – quando, em outras investigações, sempre houve altos oficiais, oficiais de baixo escalão e recrutas interrogados?
78. Por que o governo de Israel recusa-se a nomear Comissão Oficial de Inquérito, nos termos da lei israelense aprovada pelo Parlamento em 1966 exatamente para esses casos, como, por exemplo, as comissões nomeadas depois da guerra do Yom Kippur, depois do massacre de Sabra e Shatila, depois do atentado à Mesquita al-Aqsa (um australiano louco incendiou o púlpito da mesquita), e também para investigar denúncias de corrupção nos esportes e o assassinato do líder sionista Chaim Arlosoroff (e quase 50 anos depois do crime!)?
79. O governo de Israel terá algo a temer do trabalho de uma Comissão de Inquérito, cujos membros são indicados pelo presidente da Supremo Tribunal, e que tem poder para convocar e interrogar testemunhas, para exigir que se exibam provas e para determinar responsabilidades pessoais em erros e crimes?
80. Por que, agora, o governo de Israel decidiu nomear um comitê patético, sem poder legal para coisa alguma, sem qualquer credibilidade, nem em Israel nem em lugar algum?
E, por fim, a pergunta mãe de todas as perguntas:
81. O que o governo e os militares israelenses tentam esconder?

* Uri Avnery, israelense, é membro do Gush Shalom [Grupo da Paz] de Israel
.
Este texto foi publicado em http://amin.org/articles.php?t=ENews&id=3305, Arabic Midia Internet Network, dia 12 de Junho de 2010.

Tradução de Caia Fittipaldi


.

Chuvas e Hipocrisia

Enviado por Edson Amaro de Souza - diretor SEPE-SG .

Paulo Alentejano

Nestas horas em que centenas de pessoas morrem ou ficam desabrigadas em função do desabamento de encostas, enchente e transbordamento de rios, proliferam na mídia textos e entrevistas de “especialistas” que buscam apontar as causas “naturais” e “antrópicas” que explicariam tais “tragédias”. Alguns destes textos e entrevistas são mais sérios; outros, mais oportunistas; uns, são mais pontuais; outros, mais abrangentes. Alguns, mais contundentes na crítica aos governantes de plantão; outros, mais benevolentes. Mas, poucos vão fundo na análise do conjunto de questões que estão envolvidos nesta conjuntura problemática.

O que nenhum texto, entrevista ou declaração que circulou nestes últimos dias disse é que tudo isto tem a ver com o modelo de desenvolvimento vigente no Brasil desde meados do século XX, baseado na modernização acelerada, seletiva e conservadora do campo e da cidade. E a raiz do problema está na forma acelerada com que se expulsou do campo brasileiro, no último século, mais de 50 milhões de pessoas.

           
A perpetuação do controle das terras pelo latifúndio e a modernização deste estão na origem da expulsão desta enorme massa de trabalhadores rurais, os quais foram precariamente absorvidos pelas grandes cidades brasileiras. A histórica reivindicação da reforma agrária foi não só negada, como substituída por uma política de incentivo ao desenvolvimento de tecnologias poupadoras de mão-de-obra no campo, levando ao aumento da concentração fundiária, ao desemprego ou ao subemprego generalizado no campo e à consequente expulsão de grandes contingentes de trabalhadores rurais para a cidade.

E para onde foram esses trabalhadores? Para as áreas das grandes cidades que não interessavam ao grande capital imobiliário, por conta dos custos de produção mais elevados: as encostas dos morros e as várzeas dos rios. Não porque inexistam espaços urbanos em melhores condições para a moradia destas pessoas, mas porque estes estão controlados pelo capital imobiliário, aguardando a valorização destas áreas. Da mesma forma, há um sem-número de prédios e apartamentos vagos nas nossas grandes cidades, mas estes não podem ser ocupados por estas pessoas, pois o “sagrado direito de propriedade” garante o direito dos proprietários de mantê-los vazios, mesmo que isto signifique empurrar milhares de pessoas para morar em áreas “de risco”.

Portanto, o que está na raiz das centenas de mortes que se repetem a cada chuva é a propriedade privada! Enquanto o direito à propriedade imperar sobre o direito à vida, estas tragédias se repetirão. Enquanto a reforma agrária não for feita, permitindo que muitos trabalhadores que foram expulsos do campo tenham o direito de para lá retornar, e que outros que ainda lá estão não sejam expulsos, estas tragédias se repetirão. Enquanto a reforma urbana não for feita, colocando à disposição dos trabalhadores os terrenos e as moradias mantidos fechados pelos especuladores urbanos, estas tragédias se repetirão.

É certo que a geografia do Rio de Janeiro favorece a ocorrência de deslizamentos de encostas e transbordamentos de rios, mas não é certo que os trabalhadores só tenham a possibilidade de morar nestes lugares, nem que devam morrer por causa disso. É certo que também desabaram encostas onde havia mansões, mas só morreram os pobres. É certo que todos na cidade sofreram com as chuvas, mas o grau de sofrimento é incomparável.

E, agora, o que vemos se descortinar é mais um exemplo da hipocrisia das nossas elites, através da multiplicação das declarações de políticos e editorias da grande imprensa defendendo a remoção das populações residentes em áreas “de risco”, em nome da “segurança destas próprias pessoas”. Trata-se da retomada de uma das práticas mais autoritárias levadas a cabo na construção do espaço urbano de nossas grandes cidades e que, longe de proteger “os pobres”, acentuou as nossas mazelas sociais. Ou esquecemos que as favelas removidas no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas deram lugar a prédios de alto luxo, enquanto a população que ali residia foi deslocada para lugares como a Cidade de Deus, repleta de problemas de infraestrutura e internacionalmente famosa pela violência?

Se o propósito é realmente o de proteger os trabalhadores que moram nas áreas de risco”, então, vamos destinar imediatamente para moradia as centenas de prédios – alguns inclusive públicos – que se encontram vazios na cidade e no estado do Rio de Janeiro. Podemos começar pelos da região portuária do Rio, onde há inúmeros prédios e terrenos públicos e privados abandonados...

Mas, não, isso não é possível... Afinal, esta área já está destinada para os megaempreendimentos imobiliários voltados para a modernização da região portuária carioca, visando a Copa do Mundo e as Olimpíadas... A hipocrisia das elites brasileiras é incomparável... E inconcebível!

ALENTEJANO, Paulo. In: Opinião Sindical. Ano IX, número 81. Rio de Janeiro: Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, Março/Abril de 2010, pág. 13.



[1] Professor do Departamento de Geografia da FFP/UERJ; integrante da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) e da Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA).



.

18/06/2010

Autobiografia de José Saramago

Nasci numa família de camponeses sem terra, em Azinhaga, uma pequena povoação situada na província do Ribatejo, na margem direita do rio Almonda, a uns cem quilómetros a nordeste de Lisboa. Meus pais chamavam-se José de Sousa e Maria da Piedade. José de Sousa teria sido também o meu nome se o funcionário do Registo Civil, por sua própria iniciativa, não lhe tivesse acrescentado a alcunha por que a família de meu pai era conhecida na aldeia: Saramago. (Cabe esclarecer que saramago é uma planta herbácea espontânea, cujas folhas, naqueles tempos, em épocas de carência, serviam como alimento na cozinha dos pobres). Só aos sete anos, quando tive de apresentar na escola primária um documento de identificação, é que se veio a saber que o meu nome completo era José de Sousa Saramago... Não foi este, porém, o único problema de identidade com que fui fadado no berço. Embora tivesse vindo ao mundo no dia 16 de Novembro de 1922, os meus documentos oficiais referem que nasci dois dias depois, a 18: foi graças a esta pequena fraude que a família escapou ao pagamento da multa por falta de declaração do nascimento no prazo legal.

Talvez por ter participado na Grande Guerra, em França, como soldado de artilharia, e conhecido outros ambientes, diferentes do viver da aldeia, meu pai decidiu, em 1924, deixar o trabalho do campo e trasladar-se com a família para Lisboa, onde começou a exercer a profissão de polícia de segurança pública, para a qual não se exigiam mais "habilitações literárias" (expressão comum então...) que ler, escrever e contar. Poucos meses depois de nos termos instalado na capital, morreria meu irmão Francisco, que era dois anos mais velho do que eu. Embora as condições em que vivíamos tivessem melhorado um pouco com a mudança, nunca viríamos a conhecer verdadeiro desafogo económico. Já eu tinha 13 ou 14 anos quando passámos, enfim, a viver numa casa (pequeníssima) só para nós: até aí sempre tínhamos habitado em partes de casa, com outras famílias. Durante todo este tempo, e até à maioridade, foram muitos, e frequentemente prolongados, os períodos em que vivi na aldeia com os meus avós maternos, Jerónimo Melrinho e Josefa Caixinha.
 
Fui bom aluno na escola primária: na segunda classe já escrevia sem erros de ortografia, e a terceira e quarta classes foram feitas em um só ano. Transitei depois para o liceu, onde permaneci dois anos, com notas excelentes no primeiro, bastante menos boas no segundo, mas estimado por colegas e professores, ao ponto de ser eleito (tinha então 12 anos...) tesoureiro da associação académica... Entretanto, meus pais haviam chegado à conclusão de que, por falta de meios, não poderiam continuar a manter-me no liceu. A única alternativa que se apresentava seria entrar para uma escola de ensino profissional, e assim se fez: durante cinco anos aprendi o ofício de serralheiro mecânico. O mais surpreendente era que o plano de estudos da escola, naquele tempo, embora obviamente orientado para formações profissionais técnicas, incluía, além do Francês, uma disciplina de Literatura. Como não tinha livros em casa (livros meus, comprados por mim, ainda que com dinheiro emprestado por um amigo, só os pude ter aos 19 anos), foram os livros escolares de Português, pelo seu carácter "antológico", que me abriram as portas para a fruição literária: ainda hoje posso recitar poesias aprendidas naquela época distante. Terminado o curso, trabalhei durante cerca de dois anos como serralheiro mecânico numa oficina de reparação de automóveis. Também por essas alturas tinha começado a frequentar, nos períodos nocturnos de funcionamento, uma biblioteca pública de Lisboa. E foi aí, sem ajudas nem conselhos, apenas guiado pela curiosidade e pela vontade de aprender, que o meu gosto pela leitura se desenvolveu e apurou.
 
Quando casei, em 1944, já tinha mudado de actividade, passara a trabalhar num organismo de Segurança Social como empregado administrativo. Minha mulher, Ilda Reis, então dactilógrafa nos Caminhos de Ferro, viria a ser, muitos anos mais tarde, um dos mais importantes gravadores portugueses. Faleceria em 1998. Em 1947, ano do nascimento da minha única filha, Violante, publiquei o primeiro livro, um romance que intitulei A Viúva, mas que por conveniências editoriais viria a sair com o nome de Terra do Pecado. Escrevi ainda outro romance, Clarabóia, que permanece inédito até hoje, e principiei um outro, que não passou das primeiras páginas: chamar-se-ia O Mel e o Fel ou talvez Luís, filho de Tadeu... A questão ficou resolvida quando abandonei o projecto: começava a tornar-se claro para mim que não tinha para dizer algo que valesse a pena. Durante 19 anos, até 1966, quando publicaria Os Poemas Possíveis , estive ausente do mundo literário português, onde devem ter sido pouquíssimas as pessoas que deram pela minha falta.
 
Por motivos políticos fiquei desempregado em 1949, mas, graças à boa vontade de um meu antigo professor do tempo da escola técnica, pude encontrar ocupação na empresa metalúrgia de que ele era administrador. No final dos anos 50 passei a trabalhar numa editora, Estúdios Cor, como responsável pela produção, regressando assim, mas não como autor, ao mundo das letras que tinha deixado anos antes. Essa nova actividade fjspermitiu-me conhecer e criar relações de amizade com alguns dos mais importantes escritores portugueses de então. Para melhorar o orçamento familiar, mas também por gosto, comecei, a partir de 1955, a dedicar uma parte do tempo livre a trabalhos de tradução, actividade que se prolongaria até 1981: Colette, Pär Lagerkvist, Jean Cassou, Maupassant, André Bonnard, Tolstoi, Baudelaire, Étienne Balibar, Nikos Poulantzas, Henri Focillon, Jacques Roumain, Hegel, Raymond Bayer foram alguns dos autores que traduzi. Outra ocupação paralela, entre Maio de 1967 e Novembro de 1968, foi a de crítico literário. Entretanto, em 1966, publicara Os Poemas Possíveis, uma colectânea poética que marcou o meu regresso à literatura. A esse livro seguiu-se, em 1970, outra colectânea de poemas, Provavelmente Alegria, e logo, em 1971 e 1973 respectivamente, sob os títulos Deste Mundo e do OutroA Bagagem do Viajante , duas recolhas de crónicas publicadas na imprensa, que a crítica tem considerado essenciais à completa compreensão do meu trabalho posterior. Tendo-me divorciado em 1970, iniciei uma relação de convivência, que duraria até 1986, com a escritora portuguesa Isabel da Nóbrega.

Deixei a editora no final de 1971, trabalhei durante os dois anos seguintes no vespertino Diário de Lisboa como coordenador de um suplemento cultural e como editorialista. Publicados em 1974 sob o título As Opiniões que o DL teve, esses textos representam uma "leitura" bastante precisa dos últimos tempos da ditadura que viria a ser derrubada em Abril daquele ano. Em Abril de 1975 passei a exercer as funções de director-adjunto do matutino Diário de Notícias, cargo que desempenhei até Novembro desse ano e de que fui demitido na sequência das mudanças ocasionadas pelo golpe político-militar de 25 de daquele mês, que travou o processo revolucionário. Dois livros assinalam esta época: O Ano de 1993, um poema longo publicado em 1975, que alguns críticos consideram já anunciador das obras de ficção que dois anos depois se iniciariam com o romance Manual de Pintura e Caligrafia, e, sob o título Os Apontamentos , os artigos de teor político que publiquei no jornal de que havia sido director.

Sem emprego uma vez mais e, ponderadas as circunstâncias da situação política que então se vivia, sem a menor possibilidade de o encontrar, tomei a decisão de me dedicar inteiramente à literatura: já era hora de saber o que poderia realmente valer como escritor. No princípio de 1976 instalei-me por algumas semanas em Lavre, uma povoação rural da província do Alentejo. Foi esse período de estudo, observação e registo de informações que veio a dar origem, em 1980, ao romance Levantado do Chão, em que nasce o modo de narrar que caracteriza a minha ficção novelesca. Entretanto, em 1978, havia publicado uma colectânea de contos, Objecto Quase, em 1979 a peça de teatro A Noite, a que se seguiu, poucos meses antes da publicação de Levantado do Chão, nova obra teatral, Que Farei com este Livro?. Com excepção de uma outra peça de teatro, intitulada A Segunda Vida de Francisco de Assis e publicada em 1987, a década de 80 foi inteiramente dedicada ao romance: Memorial do Convento, 1982, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984, A Jangada de Pedra, 1986, História do Cerco de Lisboa , 1989. Em 1986 conheci a jornalista espanhola Pilar del Río. Casámo-nos em 1988.

Em consequência da censura exercida pelo Governo português sobre o romance O Evangelho segundo Jesus Cristo (1991), vetando a sua apresentação ao Prémio Literário Europeu sob pretexto de que o livro era ofensivo para os católicos, transferimos, minha mulher e eu, em Fevereiro de 1993, a nossa residência para a ilha de Lanzarote, no arquipélago de Canárias. No princípio desse ano publiquei a peça In Nomine Dei, ainda escrita em Lisboa, de que seria extraído o libreto da ópera Divara, com música do compositor italiano Azio Corghi, estreada em Münster (Alemanha), em 1993. Não foi esta a minha primeira colaboração com Corghi: também é dele a música da ópera Blimunda, sobre o romance Memorial do Convento, estreada em Milão (Itália), em 1990. Em 1993 iniciei a escrita de um diário, Cadernos de Lanzarote, de que estão publicados cinco volumes. Em 1995 publiquei o romance Ensaio sobre a Cegueira e em 1997 Todos os NomesO Conto da Ilha Desconhecida . Em 1995 foi-me atribuído o Prémio Camões, e em 1998 o Prémio Nobel de Literatura.
fjs

Em consequência da atribuição do Prémio Nobel a minha actividade pública viu-se incrementada. Viajei pelos cinco continentes, oferecendo conferências, recebendo graus académicos, participando em reuniões e congressos, tanto de carácter literário como social e político, mas, sobretudo, participei em acções reivindicativas da dignificação dos seres humanos e do cumprimento da Declaração dos Direitos Humanos pela consecução de uma sociedade mais justa, onde a pessoa seja prioridade absoluta, e não o comércio ou as lutas por um poder hegemónico, sempre destrutivas.

Creio ter trabalhado bastante durante estes últimos anos. Desde 1998, publiquei Folhas Políticas (1976-1998) (1999), A Caverna (2000), A Maior Flor do Mundo (2001), O Homem Duplicado (2002), Ensaio sobre a LucidezDon Giovanni ou o Dissoluto Absolvido (2005), As Intermitências da Morte (2005) e As Pequenas Memórias (2006). Agora, neste Outono de 2008, aparecerá um novo livro: A Viagem do Elefante, um conto, uma narrativa, uma fábula. (2004),

fjs
No ano de 2007 decidiu-se criar em Lisboa uma Fundação com o meu nome, a qual assume, entre os seus objectivos principais, a defesa e a divulgação da literatura contemporânea, a defesa e a exigência de cumprimento da Carta dos Direitos Humanos, além da atenção que devemos, como cidadãos responsáveis, ao cuidado do meio ambiente. Em Julho de 2008 foi assinado um protocolo de cedência da Casa dos Bicos, em Lisboa, para sede da Fundação José Saramago, onde esta continuará a intensificar e consolidar os objectivos que se propôs na sua Declaração de Princípios, abrindo portas a projectos vivos de agitação cultural e propostas transformadoras da sociedade.

FONTE: FUNDAÇÃO JOSÉ SARAMAGO


.
 

16/06/2010

Rede estadual para na quinta-feira (dia 17 de junho) para realizar marcha unificada com funcionalismo ao Palácio Guanabara


Os profissionais das escolas estaduais farão uma paralisação de 24 horas na próxima quinta-feira, (dia 17 de junho). Neste dia, a partir das 10h, a categoria irá se concentrar, juntamente com outras categorias do funcionalismo que integram o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE) para realizar uma passeata ao Palácio Guanabara. À partir das 15h, o Sepe realizará uma assembléia geral,no auditório da ABI, no Centro.

As reivindicações dos profissionais de educação da rede estadual são as seguintes: reajuste salarial emergencial de 48%; cumprimento da lei do plano de carreira dos funcionários administrativos; vale-transporte; e incorporação imediata da gratificação do Nova Escola.